Não há 8 perdas – Parte II

[II] O que Ohno diria se, ao seu conjunto original de 7 perdas, fossem adicionadas outras mais? Se ele estivesse aqui e agora?

Uma semana se passou desde que Roger emergiu da confusão sobre as palavras do Sr. Ohno:  “respeito é um valor”, “talento”, “ habilidade”, “perda é uma coisa”. Agora, pensou, suas ideias estavam claras.

[R]: Sr. Ohno, se eu tivesse que classificar respeito, talento, habilidade e perdas em uma lista, desde a maior importância até a menor, eu o faria na seguinte ordem: respeito-habilidade-perda.  I would put it this way: respect-skill (talent)-waste.

 

[O:] Por quê? – perguntou com indisfarçável satisfação.

[R]:  Imagine que eu sou um trabalhador talentoso e habilidoso, mas você frequentemente induz meus colegas a pensarem que sou incapaz nas reuniões de equipe. Você não deveria esperar de mim que eu colocasse em prática minhas melhores habilidades.

[O]: O que você quer dizer? – o mentor perguntou, aparentemente irritado.

[R]: Utilizando minhas habilidades, eu poderia identificar e eliminar perdas. Mas, talvez, eu não me sinta motivado a fazê-lo. Além disso, há uma enorme diferença entre uma pessoa orgulhosa e uma pessoa humilhada na maneira como enxergam o mundo e agem para transformá-lo.

 

[O]: Concordo. Mas me diga, quas são as consequências dessa enorme diferença, Roger-san?

[R]: Valores humanos, como o respeito, governam a maneira como a pessoa se comporta. A maneira como a pessoa se comporta ao redor de outras cria o estado de espírito. Um estado de espírito apropriado pode nutrir engajamento para que haja melhorias. A habilidade em si não direciona alguém automaticamente para melhorias ou eliminação de perdas.

[O] E o que isso significa em termos de importância?

[R]: Agora eu vejo claramente, Sr. Ohno. Valores humanos valem mais que outras coisas. Respeito é mais importante que as outras coisas. Isso significa que nós deveríamos considerar respeito o mais importante da lista, mais que as perdas.

[O]: Muito bem, Roger-san. Mas não o suficiente. Vamos falar mais sobre perdas.

Roger se sentiu bem ao sair daquele imaginário, vergonhoso,  círculo de giz e, de certa maneira, sentiu-se orgulhoso ao ser exigido a continuar pensando.

Depois de um curto silêncio, Ohno perguntou:

[O]: Qual é a essência da minha lista de perdas? Isso é o que realmente importa.

[R]: Eu realmente não sei . Algumas pessoas dizem que as perdas estão escondidas no estoque. Você disse que o próprio estoque é uma perda. Outros dizem que perdas são efeitos ou sintomas. Você diz que elas são coisas desnecessárias.

[O]: Você saberá. Quero que você permaneça uma semana na produção, logística e marketing identificando perdas. Na semana seguinte você deverá pensar a respeito disso: qual é o propósito de se ter uma lista de perdas? O que é importante sobre categorizá-las em termos de causa e efeito? Detalhes fazem muita diferença. Você não deveria ver perdas onde não há e vice-versa.

O Sr. Ohno se perguntou: “será que Roger prosperaria se minha autoridade não fosse aceitada de saída?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *